Ela era a minha mulher!

Resultado de imagem para blogazine novembro
Feelme/Blogazine!

Ela era a minha mulher. Era com ela e por ela que eu mudava até o meu caminhar. Ela era quem me acolhia quando o resto do mundo me deixava seguir, sem rumo, sem me olharem e sem saberem como me ver. Ela era a minha mulher e eu deixei de a reconhecer, vi-a partir e não me movi, paralisei num medo absurdo de não ser capaz de usar as palavras para tudo o que se me apertava dentro. Ela era a minha mulher e eu perdi-a!

Do que somos feitos quando parecemos não conseguir guardar dentro, NADA do que nos motiva e incentiva a iniciar uma relação? Porque esperamos sempre demasiado dos outros, de quem conseguimos amar, numa dor que também dói, porque o amor não são apenas corpos que se juntam e tocam como mais nada nem ninguém consegue, e não damos na mesma proporção, subtraindo para depois não ter o que dividir?
Do que somos feitos quando escolhemos não guardar nada do que armazenámos e apenas porque começámos a amar?
Do que somos feitos quando alguém, a nossa metade, nos olha e pede que fiquemos, que partilhemos, que estejamos prontos porque o momento chegou?
Do que somos feitos quando escolhemos não ser feitos de nada?

Ela era a minha mulher ao acordar. Eram os seus olhos de mel que via primeiro e o seu sorriso que beijava, nuns lábios que me sabiam sempre ao seu sabor. Ela era a minha mulher quando se aninhava, carente, mas confiante, no corpo qua tantas vezes lhe deu o que nem precisava de pedir. Ela era a minha mulher de cada vez que me oferecia um abraço silencioso, mas que me gritava alto que estava ali, para mim. Ela era a minha mulher quando corria pelos dias loucos, apenas para estar quando estivesse eu. Ela era a minha mulher e foi-o sempre e a cada minuto. Ela era a minha mulher, mas eu perdi-a!