19.12.17

Cartas de amor!

Resultado de imagem para cartas escritas a tinta


Parece que já ninguém as escreve, as cartas de amor, mesmo que muitos ainda preservem as que foram trocando, quando colocar sentimentos no papel era o que existia de mais profundo!

Hoje a minha querida Danda enviou-me umas cartas de amor de Ludwig Van Beethoven.

"Meu anjo, meu tudo, meu eu"...

Quando sentir é algo que nos corrói por dentro, sobretudo se não for partilhado, teremos que nos libertar, deixando voar as palavras que chegarão até à outra parte de nós e terão eco.

" O amor tudo exige e ele tem razão".

O amor é por norma doloroso, assim o foram escrevendo e descrevendo os poetas, os de ontem nas suas cartas e os de hoje nas letras das inúmeras canções que lhe dedicam. Não sei se dói porque tem que ser e porque alguém assim o determinou, ou se dói porque não o sabemos replicar e nos esforçamos mais do que deveríamos, ou menos do que nos caberia. Não sei porque não nos chegam amores suaves, tranquilos e a saberem do que podem dar. Não sei porque complicamos o aparentemente fácil, apenas porque escolhemos a estrada mais longa e os movimentos mais pesados.

"Meu Deus, porque tenho que estar separado de quem amo"? "O teu amor fez de mim o mais feliz e mais miserável dos homens"...

E é isto, o de sempre, ontem e hoje. Somos os eternos sofredores e parecemos alimentar-nos do que magoa bem mais do que tudo o resto. Irra, chiça, que triste fado, mas então não podemos apenas amar e pronto?

Gosto de cartas de amor. De as ler. De as imaginar, as que foram escritas e reescritas. As que escrevi, em acessos de amor assolapado e de todas as que recebi, cheias do que acreditava ser a única verdade possível.

Obrigada minha querida Danda. Hoje deixaste-me a sonhar mais um pouco, quem sabe com umas quantas que ainda irei receber!