5.12.17

Devemos recordar o amor!

Pequenos detalhes que me ganham, outros menores que me afastam... Adriana Albuquerque


Olá meu amor,

Porque faz sentido que o que teve importância se mantenha na nossa memória, hoje não poderia deixar de me recordar que há um ano atrás fui tua mulher e soube, quando me tocaste, que eras tu e que iria querer que ficasses, mas o que aconteceu de lá até aqui ditou o nosso afastamento, ou porque teria que acontecer, ou porque não soubemos manter o que demorámos a conquistar. Agora já importa muito pouco saber quais foram as razões, já as pisei e repisei e mesmo tendo encontrado algum sentido, percebi que simplesmente desistimos ambos, foi apenas isso.

Por vezes permitimos que a nossa insegurança, e as muitas perguntas que nos inundam a essência se propaguem como uma doença incurável, minando cada célula e fazendo com que sejamos incapazes de apenas parar, respirando fundo e continuando a remar para a frente. Sentimos a vergonha subir por nós, deixando-nos de face vermelha e com receio de que nos julguem pela fraqueza, pelas vidas que toda a nossa vida já carrega e acabamos por fechar todas as portas, uma a uma.

Ainda sinto a tua falta. Ainda quero a tua boca na minha. Ainda sonho com cada toque no corpo que te aceitou e que me ensinou muito sobre mim, mas já sou capaz de me recordar de tudo sem qualquer dor, apenas com um sabor, que mesmo quase a desaparecer, ainda é doce.

Hoje recordei-me do dia, do local e de todos os momentos que nos envolveram quando nos encontrámos e senti o coração a bater forte, sem saber muito bem o que viria depois e percebi que teria que ter sido daquela forma, naquele lugar e contigo. Hoje tenho vontade de mais, de não me parar, de nunca desistir dos começos, importando-me muito pouco com os finais. Hoje já não dependo de ti para ser feliz, sou eu outra vez, mas carrego-te comigo, porque ficaste onde deverias e porque me deste o que precisava, há 365 dias atrás.

Porque acho que devo manter tudo o que me fez crescer e porque nada da minha história precisa de ser reescrita, hoje por alguns momentos, fui tua mulher outra vez.

Até sempre,
M.M.