29.12.17

Não sei se és tonto, ou louco!

Floresta Llwyth


Quando escolhes não escolher nada. Quando decides que decidir te dará demasiado trabalho. Quando não ligas porque ligando terias que falar de ti. Quando te enganas, sempre e de cada vez que te tentas convencer da mentira, a que manténs viva para não teres que mudar, uma vírgula, ao que já conheces, acabas por pagar um preço demasiado alto, mas ainda assim finges não perceber.

Não sei quem terás enganado mais. Não sei, e muito provavelmente, nunca saberei, em quem pensas quando, finalmente, paras para pensar. Não sei o que te dão as noites, as que tens sozinho porque acompanhado terias que dar mais de ti e ainda não sabes como o fazer. Não sei se és um tonto ou apenas um louco incurável. Não sei com quem falas e se falas de ti, mesmo de ti, com tudo o que sentes e sabes que tens. Não sei como acordas, mas arrisco dizer que o sabor é quase sempre amargo.

Alguém te magoou, por norma é assim que acontece, mas não serás o único, o que te distinguirá será a forma de te curares. Alguém te arrancou os sonhos que construíste, sozinho, porque se o tivesses feito a dois, não estarias aqui, agora, sem saber o que ser e fazer. Alguém te enganou enquanto te enganavas a ti mesmo, porque não ver o óbvio não te poderá desculpar. Alguém te quebrou as defesas e passaste a querer atacar quem chegasse, mesmo que para te fazer bem. Alguém pagou por tudo do que padeces.

Não sei se és tonto, ou louco, por desperdiçares um amor como o meu. Não sei do que tiveste medo, porque antes de mim não havia nada que te enchesse ou preenchesse. Não sei porque receaste ver-me por dentro, ou talvez até saiba, porque quem tem a alma cheia não aceita luzes de pouca intensidade. Não sei porque vieste até mim se não estavas pronto...