27.12.17

Os medos que nos alimentam!

Enfrente os medos. Fui muito mais feliz depois que tomei coragem.                                                                                                                                                                                 Mais


Os medos, os tais que chegam quando menos precisávamos e quando até já parecíamos ter sido convencidos... Os medos terão talvez uma função definida, mas que nos poderão atrasar os passos, fazendo-nos recuar nas decisões que já tinham sido tomadas e até de forma acertada. Os medos deverão ser lidos e entendidos, porque as razões até poderão estar disfarçadas, mas serão tão ou mais válidas quanto nos esforçarmos por as contrariar.

O ser humano resiste à mudança porque necessita de conforto e de segurança, sem entender que eles são tão ilusórios quanto o medo de não ser bem-sucedido. Não temos garantias de nada, apenas de manter vontades, ou de as mudar para melhor nos adaptarmos.

O medo dos recomeços, dos compromissos, dos amores novos e do largar de antigos. O medo de não ter quem julgamos ter. O medo de não termos um lugar, quando o nosso já estava definido. É de cada um que somos feitos e que alimentamos, mesmo sem nos apercebermos, talvez porque sejam tantos, quanto mais fértil for a nossa imaginação, mas a verdade é que é possível deixar de sentir medo, devagarinho, com alguma sensibilidade e muito bom senso, sem querer tomar o mundo todo de uma vez só, estando disponível para ouvir com atenção, o coração, as dores, os desconfortos, e todos quantos nos rodeiam, porque mesmo no meio de muito barulho, se estivermos tranquilos saberemos retirar os sons certos.

Sentes medo de cada vez que o que esperavas ouvir não chega. Sentes medo quando sentes que dás mais do que recebes. Sentes medo de não estar a fazer a leitura certa. Sentes medo porque ter medo te dá imensas desculpas que usas para não parares de ter medo.

medo tem mantido a humanidade, mesmo que de forma periclitante, mas chegará uma altura em que teremos que avançar, parando de lutar contra fantasmas e aceitando a verdade, porque mesmo que se venha a provar dolorosa, será a nossa e depois de revelada poderemos reconstruir-nos com o que restar.