22.12.17

Ter-te continua a ser o que tenho!



Ter-te já foi uma certeza, um lugar e um modo de vida. Ter-te era o que me passava a vontade de continuar, assim, eu e tu, em cada momento que criávamos e tanto que fizémos. Ter-te era parar de procurar, parar de lutar e não ter o que tivesse nome, cara e toque. Ter-te deixava-me em alta, assim que acordava e te via. Ter-te eram todas as palavras que trocávamos com sentido e tanto sentido fazia termo-nos...

A tua pele ainda parece tocar a minha. O teu cheiro está impregnado em mim e até a tua gargalhada
sonora ainda me faz rir. Nada do que eras e representavas parece ter passado ou deixado de existir. Nada do que imagina se revelou errado, foste apenas tu que não conseguiste ficar.

Vou continuar à procura do amor, nos mesmos lugares e com as mesmas características. Vou continuar a querer que o meu coração se encha e me preencha, porque apenas ele me deixa capaz de todas as proezas do mundo. Vou querer que o seu sabor se misture no meu e que me vás recordando, tal como ainda faço contigo.

Ter-te continua a ser o que tenho e assim vai permanecer por mais algum tempo, talvez até quando outro de dê, exactamente o mesmo que conseguiste!