24.1.18

A boca que se encaixou na minha!

Quando você me beijar...

Quero o que já tive. Um amor igualmente grande, um sentir que se sinta, verdadeiramente, uma entrega que me faça saber que não terei que ir mais longe, nem procurar, porque já tenho.

Amar quem nos ama, deixa-nos a sentir como tudo é real, passando-nos o que o corpo pede e a boca grita, ansiosa. Amar, da forma certa, a pessoa que nos assenta como uma luva, onde cada dedo sabe como e onde estar, é tão natural como regressar a casa.

Quando estamos, um para o outro, nos mesmos desejos, nas mesmas palavras, partilhando sonhos comuns, nunca sentimos necessidade de mais nada, nem ninguém. Quando encontramos quem nos serve, tudo passa a servir de forma tão perfeita, que certamente as "encomendas" já teriam sido feitas há muito, por quem até saberia de nós. A ternura que passamos. O sussurro em palavras meigas. O respirar descompassado, ou tão tranquilo que até paramos de pensar, tudo chega e é partilhado com a pessoa que nos serve. Eu sei que já tive, mas também sempre soube que poderia repetir, sentindo o teu sabor no meu e inspirando os cheiros que nunca mais quererão sair de mim.

A boca que teria que encaixar na minha chegou, por isso minha amiga, acredita, espera, mesmo que por vezes te sintas desesperar, mas tem como certo que o que te pertence às tuas mãos chegará e nessa altura estarás como eu, a saber que sempre soubeste.

A boca que encaixou na minha de forma tão natural, devolveu-me o que alguns não souberam fazer. A boca que a minha reconhece, é tão perfeita que beijá-la restaura-me de qualquer dor que me tivesse infligido, mas acredita que já nem me lembro de qual foi. A boca que encaixou na minha, é do homem que sempre desejei ter.