6.1.18

Começo por onde?


Sundae Muse

Começo por onde? Terá que ser pelo fim, porque é lá que estamos os dois, porque o tempo nunca existiu em abundância para ti, o que não deixa de ser curioso, tal a quantidade de coisas que eu sempre fiz e faço. Nunca houve um pedaço de minuto, ou de hora que te tivesse negado e como sempre, encaixei tudo para que te encaixasses tu.

- Lembras-te de ter ter dito que não estavas preparado para mim?

- Sim, claro, ouvi-o várias vezes.

- Então vou refrasear. Sou eu que não estou preparada para ti, não sei como se faz, como se convence alguém a que se convença a si mesmo. Não sei como se usam as palavras certas, sem assustar, sem que se seja julgado e sem que se tenha apenas menos do muito pouco que acaba a chegar.

- Porque insistes em dizer que não estou à altura?

- O que eu digo é baseado no que tu fazes, e a verdade é que nunca estiveste, em momento algum. NÃO, espera, não quero ser injusta, estiveste sim, quando desejaste, desesperadamente, ter sangue novo, diferente de todo quanto tiveste a escorrer pela boca. Quando te moveste, a uma velocidade estonteante, para estar onde estivesse eu, quando sentiste que te poderia escapar entre os dedos sem que o pudesses evitar, aí, SIM, estiveste, tão à altura, que até consegui acreditar.

Eu sei por onde começava, hoje, se pudesse voltar atrás no tempo. Começava pela recusa, FIRME, começava por um "vai passear" tão determinado, que nem a tua suposta curiosidade conseguiria resistir. JURO que não sou uma mulher amarga, mas é que até eu tenho limites. Até eu falho ver o óbvio. Até eu sou enganada e isso magoa-me, claro, mas se tudo acontece, realmente, por alguma razão, eu estou a começar por entender qual foste tu. Quando descobrir aviso!