7.3.18

Ai a visão masculina...

Verde que te quero verde

Vi-a, linda, altiva, elegante, uma mulher cheia de classe, mas que não parecia estar ali, bebia o garoto claro, como lhe ouvi pedir e não olhava nem via ninguém!

Será daquelas que julgam que são demasiado importantes para o mais comum dos mortais? Será das que de muito bonitas até são insuportáveis e antipáticas?

Rapidamente obtive resposta contrária, ao ver aproximar-se dela uma das empregadas da pastelaria a quem largou um enorme sorriso. Que boca tão desejável, lábios carnudos, com dentes alinhados e brancos.

- Olá Patrícia, como está?

Então chama-se assim, gosto, mas não tem cara de Patrícia.

Trocaram palavras agradáveis, riram muito e brincaram. Vi e percebi  uma outra mulher, que apenas se distancia para se proteger do assédio, caramba e deve ser intenso. Não consigo descortinar a idade, já é madura, pele morena e uns olhos verdes com um brilho absurdo, quase insultuoso. Agora já me começo a atrever a olhar o seu corpo de formas irrepreensíveis. No verão a capacidade de esconder gordurinhas torna-se uma tarefa mais comprometedora. Percebi que os seus seios caberiam nas minhas mãos, o tamanho ideal, que as suas pernas torneadas e sem celulite, ai afinal os homens também reparam em tudo, se moviam periodicamente para evitar o cansaço. Estava de pé ao balcão e por vezes afastava os fios de cabelo da cara. Eram tão brilhantes que me apetecia tocá-los e cheirá-los.

Aproximei-me mais um pouco e como sou um tipo de faro apurado, imediatamente identifiquei o Light Blue da Dolce & Gabbana. Suave e frutoso, adoro!

Por esta altura já me viu. Uhm, talvez até o já tivesse feito antes, as mulheres e a sua visão periférica. Já se move com algum desconforto, mas assim mesmo consegue dar-me um sorriso. Vou lá falar-lhe? Ficará ela a achar que sou um assanhado tal como muitos outros a quem terá que dar um chega para lá?

Raios que partam isto, nunca me senti assim antes, pareço um catraio com cueiros. Bem, pelo menos já sei o nome, o lugar que frequenta e que a empregada a conhece bem. Acho que me vou armar em forte e sair sem dizer nada. Amanhã volto, e no outro dia, e no outro, até que possa ouvir o som da sua voz, que antecipo seja quente, a projectar palavras, até que o mesmo sorriso que lhe vi hoje seja para mim.

Estou apanhado, fui apanhado, vem aí desgraça!