E aqui está mais um ano!

52 Best Happy Birthday images of all times


Não posso negar que me vai custando repetir a idade que se me cola, quer o deseje ou aceite, quer não. Custa-me porque não consigo deixar de me questionar sobre o que tenho feito de cada um. Será que os vivi como deveria? Terei sido demasiado benevolente, ou arriscadamente sonhadora? Pois, não me perco demasiado no passado, apenas e só o tempo suficiente para tirar dele lições valiosas, mas faço-me perguntas e um dia responderei a cada uma.

Fiz 52 anos e o que foi que aprendi até hoje? Ui, preparem-se porque vem daí um tratado!
Aprendi o verdadeiro valor da palavra amizade e a triste realidade é que tenho pouquíssimos amigos. Deixei-me de lamechices e passei a olhar para tudo o que me chega com coragem e determinação. Nunca mais culpei quem quer que fosse pelas minhas escolhas erradas, porque foi com cada uma que me fortaleci. Entendi que nem sempre poderei esperar dos outros o que eu tanto faço por conquistar, porque percebo que não queiram "trabalhar" demasiado, até porque teriam que responder a muitas perguntas e as respostas não seriam bonitas.

Qual a minha missão nesta vida?

Soube, através dum estudo numerológico, há um par de anos, que estou aqui para trabalhar a tolerância. Não tenho sido integralmente bem-sucedida, mas já melhorei IMENSO. No entanto receio ter que regressar mais umas quantas vidas para atingir os níveis desejados, porque na verdade não consigo ser tolerante com os que não se esforçam para melhorar. Não consigo aceitar os que andam às voltas como os cães do rabo, mas nem assim conseguem ver os seus. Não entendo os que são maus por natureza e apenas usam todos quantos têm o azar de se aproximar. Não consigo pensar apenas em mim e por isso abomino os que o fazem.

Freedom! Liberdade, é o que significa esta palavra e eu vou tatuá-la quando for tão livre que já não precise de precisar de quem quer que seja, e tão dependente de amores genuínos que a minha liberdade não colida com nenhum.

E aqui está mais um ano. Neste ficaram os que reconheço e me fazem falta e dele saíram todos os outros para nunca mais voltarem. Ser emocionalmente madura é bem mais do que somar anos e eu sinto cada um a passar-me pelo corpo, libertando-o. Pelo coração, preenchendo-o até que quase não consiga respirar. Pela alma, cimentando-a e reconhecendo-a e pelo olhar vendo o que vale realmente a pena ser visto. E aqui está mais um ano, gratidão!